Livro de Teoria e Exercícios com Gabarito de Matemática

Ciências Humanas e suas Tecnologias

Ética e Filosofia Política Enem – Breve resumo!

Ética e Filosofia Política Enem

A Ética e Filosofia Política Enem irá abordar aqui os principais conceitos que os abrangem. É um breve resumo, por isso, você deve se aprofundar em seus estudos sobre esse assunto.

ética e filosofia política enem

ética e filosofia política enem

A Filosofia Política tem seus primórdios na ética esclarecendo questões de que tipo de vida é a boa para os seres humanos. Uma vez que as pessoas são, por natureza, sociáveis, a questão segue qual tipo de vida é adequada elas ao conviver com outras.

Os discursos filosóficos relativos à política se desenvolvem, ampliam e fluem de seus fundamentos éticos. A Filosofia Política gera visões da boa vida social ao que deve ser o conjunto dominante de valores e instituições que combinam homens e mulheres juntos.

Para tomar alguns exemplos, o indivíduo ético afirma que o bem se caracteriza pela busca (ou seja, tentando) da maior felicidade para o maior número de pessoas.

Assim, no domínio político, ele apoiará a construção das instituições. E seu objetivo é assegurar a maior felicidade para o maior número de pessoas.

Em contrapartida, um deontólogo ético, afirma que o bem mais alto é servido por nossa aplicação de deveres (para o direito ou para outros). E este reconhecerá a justificativa das instituições que melhor atendem ao emprego de funções.

Essa é uma postura reconhecível que se funde com a ênfase dos teóricos dos direitos humanos em seu papel (de ações e/ou coisas). Por sua vez, um relativista ético defenderá uma pluralidade de instituições (dentro de uma nação ou em todo o mundo).

Enquanto um objetivista ético condenará aqueles que são vistos como faltosos em um propósito universalmente moralmente apropriado.

Leia também…

Ética é sustentada por teorias metafísicas e epistemológicas

Como a Ética também é sustentada por teorias metafísicas e epistemológicas, a filosofia política pode estar relacionada a tais teorias subjacentes:

  • Teorizar sobre a natureza da realidade e como conhecemos as coisas, logicamente, relaciona-se com a forma como as fazemos e interagimos com os outros.

A maior e mais persistente questão ética-política divide os filósofos em uma série de escolas de pensamento. A isso é concernente ao status do indivíduo: “pessoa ética”.

Embora a variedade e as sutilezas desta área do pensamento não possam ser examinadas aqui.

Convém dizer que os filósofos dividem-se entre aqueles que consideram a pessoa individual como sacrossanta (isto é, ética e assim politicamente). E também aqueles que consideram o indivíduo como um ser membro de um grupo.

Outros consideram que as instituições políticas são sagradas em seu próprio direito, mas isso dificilmente é uma posição sustentável.

Até porque se a humanidade não existisse, tais instituições não teriam sentido. E, portanto, só poderiam ganhar o seu significado com a nossa existência.

A questão-chave que divide os filósofos políticos retorna se é o grupo ou o indivíduo que deve ser a unidade política de análise.

A linguagem usada pelos pensadores opostos para descrever a primazia política de sua entidade (isto é, individual ou grupo) altera-se ao longo da história. E isso irá depender de outros conceitos concorrentes ou complementares.

Hoje a divisão é mais bem caracterizada pelos “direitos do indivíduo” em relação aos “direitos do grupo”.

Outros termos apropriados à Ética e Filosofia Política Enem incluem:

  • A dignidade do indivíduo
  • Os deveres e obrigações decorrentes do grupo
  • A autonomia ou a autodeterminação do grupo ou do indivíduo – e estes, por sua vez, se resolvem em questões específicas e aplicadas sobre o papel das orientações culturais, raciais, religiosas e sexuais.
Curso Gênio da matemática

Curso Gênio da matemática

Ética e Filosofia Política Enem – Teoria Política

Nos cursos de teoria política, o debate prossegue hoje entre os comunistas e os liberais. Eles debatem o fundamento intermediário dos direitos e obrigações à medida que se estendem entre grupos e indivíduos.

Essa caricatura dos extremos nos permite considerar as diferenças. Também os pontos de concordância entre as várias escolas de filosofia política em uma esfera melhor.

Mas, como nas generalizações feitas de eventos históricos, os detalhes são muito mais complicados e sutis. Isso ocorre porque a aplicação da filosofia no domínio político trata necessariamente das instituições sociais.

E, dado que as pessoas são sociáveis ​​- dificilmente poderia ser dito ser humano se não possuíssemos sociedade ou cultura – ambos os extremos devem examinar e avaliar os reinos socio-éticos:

  • Da autonomia, da amizade, da família, da propriedade, do intercâmbio, do dinheiro (isto é, da troca indireta), da comunidade, da tribo, da raça, da associação e do estado (e seus vários ramos) – e, portanto, do relacionamento individual com cada um.

Ética e Filosofia Política Enem – Escolas políticas do pensamento

Tendo iluminado alguns dos extremos que caracterizam a filosofia política em relação ao método e à terminologia, as principais escolas de pensamento podem ser introduzidas.

O que será observado não é apenas para qual final do espectro metodológico a escola se inclina, mas também implica conexões implícitas com a ética.

Da mesma forma, outros aspectos precisam ser esclarecidos:

  • A escola enfatiza o primado da razão nos assuntos sociais. Ou subjuga o papel da razão em assuntos políticos a favor das forças da história, herança, predisposições tribais ou emocionais?

1 – Liberalismo

O termo “liberalismo” transmite duas posições distintas na filosofia política. A primeira é uma teoria pró-individualista das pessoas e do governo.

A segunda chamada de um pró-estatista, ou melhor, denominado como “social-democrata”.

2 – Conservadorismo

Essa abordagem minimiza as implicações unificadoras ou oniscientes do liberalismo e seu racionalismo unificado. E, assim, confere instituições ou modos de comportamento que tenham resistido os séculos um maior respeito do que os liberais.

Politicamente, os conservadores filosóficos são cautelosos na adulteração de formas de comportamento político e instituições. São especialmente céticos de reformas de escala completa.

Eles se erguem do lado da tradição, mas não por sua causa, mas pela visão cética de nossa habilidade humana. Há ceticismo no redesenhar de toda a gama de valores sociais que evoluíram e se adaptaram a muitas gerações.

Se você aprendeu algo novo ou fez lembrar do que estudou, então, não deixe de comentar abaixo. Compartilhe também com os seus amigos e conhecidos a fim de ajudá-los nesse assunto.

960x171-anuncio-blog-genio
Loading Facebook Comments ...

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.