Livro de Teoria e Exercícios com Gabarito de Matemática

Ciências Humanas e suas Tecnologias

Antiguidade Clássica: Grécia e Roma antiga

Antiguidade Clássica: Grécia e Roma antiga

Leia este pequeno resumo a respeito da Antiguidade Clássica: Grécia e Roma antiga para que faça uma boa prova Enem. Estude, aprenda e se prepare melhor!

antiguidade clássica: Grécia e Roma antiga

Antiguidade Clássica: Grécia e Roma antiga

Antiguidade Clássica: Grécia e Roma antiga é um período de cerca de 900 anos, quando a Grécia e Roma antiga (primeiro como República e depois como Império) dominavam a área do Mediterrâneo, de cerca de 500 a.C – 400 CE.

Tendemos a unir a antiga Grécia e Roma juntos porque os romanos adotaram muitos aspectos da cultura grega quando conquistaram as áreas da Europa sob controle grego (cerca de 145 a 30 a.C).

Aqui abordaremos alguns aspectos que englobam a Antiguidade Clássicaa: Grécia e Roma Antiga dividindo em pequenas partes.

Lembrando que é apenas um resumo, o que não substitue os seus estudos mais aprofundados sobre o assunto. É bom considerar como lembrete e fazer uma leitura intuitiva de como esse conhecimento se relacionam ao tempo atual.

Leia também…

Porque Antiguidade Clássica cita Grécia e Roma Antiga?

Antiguidade clássica é o termo usado para descrever as civilizações da Grécia e da Roma antiga. Como você já deve ter estudado, ao longo dos anos, o mundo todo passou por transformações.

A História vive se modificando e você precisa acompanhar essas evoluções.

O termo Antiguidade foi usado pela primeira vez por escritores do Renascimento. Eles distinguiram entre a Antiguidade, a Idade Média e os tempos mais recentes em que viviam.

Pode referir-se a qualquer período antes de c.500 d.C, mas geralmente se refere à Antiguidade Clássica. Isso significa, especificamente, as civilizações da Grécia antiga e de Roma.

A Antiguidade Clássica começa com o período da redação da Illiad c.800 BC de Homer ao declínio do Império Romano Ocidental c.500 A.D.

São as conquistas da literatura, do drama, da arte, da arquitetura, da filosofia e da ciência, que constituem a base da nossa civilização ocidental até hoje.

Embora o Império Romano nunca tenha conquistado a Dinamarca, é possível visitar muitos artefatos da Antiguidade Clássica em museus e galerias de arte dinamarquesas.

Algumas cidades dinamarquesas, em particular Copenhague, têm muitos edifícios inspirados no estilo arquitetônico do século XIX. Eles são chamados de Classicismo, o quais se baseou na arquitetura da Antiguidade Clássica.

Antiguidade Clássica: Grécia e Roma antiga – Deuses e deusas

Por exemplo, os romanos adotaram o panteão grego dos Deuses e das Deusas. Mas mudaram de nome – o deus grego da guerra era Ares, enquanto o deus romano da guerra era Marte.

Os antigos romanos também copiaram a arte grega antiga. No entanto, os romanos costumavam usar mármore para criar cópias de esculturas que os gregos fabricavam originalmente em bronze.

Uma abordagem racional

Os gregos antigos foram a primeira cultura ocidental que acreditavam em encontrar respostas racionais para as grandes questões da vida terrena.

Eles assumiram que havia leis consistentes que governavam o universo, tais como:

  • As estrelas que se movem
  • Os materiais que compõem o universo
  • As leis matemáticas que governam harmonia e beleza, geometria e física

Tanto os gregos como os romanos antigos tinham um enorme respeito pelos seres humanos e como estes podiam realizar grandes feitos com suas mentes e corpos.

Eles eram Humanistas (um estado de espírito que recomeçou no Renascimento). Isso foi muito diferente do período que seguiu a Antiguidade Clássica – a Idade Média, quando o cristianismo (com o senso do corpo como pecaminoso) passou a dominar a Europa Ocidental.

Quando você imagina escultura grega ou romana antiga, você pode pensar em uma figura que é nua, atlética, jovem, idealizada e com proporções perfeitas. E isso também seria verdade para a arte grega antiga do período clássico (século V a.C) tanto da arte romana antiga.

Cópias romanas da arte grega antiga

Quando estudamos arte grega antiga, muitas vezes estamos realmente olhando para a arte romana antiga, ou pelo menos suas cópias da escultura grega antiga (ou pinturas e arquitetura para essa matéria).

Basicamente, quase todos os romanos queriam a arte antiga da Grécia. Para os romanos, a cultura grega simbolizava um modo de vida desejável: o lazer, as artes, o luxo e a aprendizagem.

A popularidade da arte grega antiga para os romanos

A arte grega tornou-se um motivo de raiva quando os generais romanos começaram a conquistar cidades gregas (começando em 211 a.C). E retornaram triunfalmente a Roma, não com o habitual saque de moedas de ouro e prata, mas com obras de arte.

Esse trabalho impressionou tanto a elite romana que os estúdios foram criados para atender a crescente demanda de cópias. E essas eram destinadas às moradias de ricos romanos.

O Doryphoros foi uma das esculturas gregas mais procuradas e copiadas.

Antiguidade Clássica: Grécia e Roma antiga – Bronze vs. Mármore

Em sua maior parte, os gregos criaram sua escultura autônoma em bronze. Mas devido o bronze ser valioso podendo ser derretido e reutilizado, a escultura foi muitas vezes reformulada em armas.

É por isso que poucos originais de bronze grego antigo sobrevivem. E também, muitas vezes, temos que olhar para as antigas cópias romanas em mármore (de qualidade variada) para tentar entender o que os gregos alcançaram.

Por que as esculturas são muitas vezes incompletas ou reconstruídas?

Para piorar a matéria, as esculturas de mármore romano foram enterradas durante séculos. Muitas vezes, recuperamos apenas fragmentos de uma escultura que deve ser reensamada.

Essa é a razão pela qual muitas vezes você verá que as esculturas nos museus incluem um braço ou uma mão. Eles são recreações modernas ou o que as esculturas antigas simplesmente decidiram exibir de formas incompletas.

O Doryphoros (Spear-Bearer) no museu de Nápoles é uma cópia romana de um original grego perdido que foi encontrado. Em grande parte está intacto, na cidade romana provincial de Pompéia.

Antiguidade Clássica: Grécia e Roma antiga – O Canon

A idéia de um cânone, uma regra para um padrão de beleza desenvolvido para os artistas a seguir, não era nova para os antigos gregos.

Os egípcios antigos também desenvolveram um cânone. Séculos mais tarde, durante o Renascimento, Leonardo da Vinci investigou as proporções ideais do corpo humano com seu homem Vitruviano.

 

O nu masculino ideal permaneceu um elemento básico da arte e da cultura ocidental até hoje. Vemos isso, por exemplo, pelo trabalho de Robert Mapplethorpe.

A idéia de Polykleitos de relacionar a beleza com a proporção foi posteriormente resumida por Galen. Ele escreveu no segundo século as seguintes palavras:

“A beleza consiste nas proporções, não nos elementos, mas nas partes, isto é, do dedo ao dedo, e de todos os dedos para a palma e o pulso, e para o antebraço e para o antebraço para o braço e de todas as outras partes um para o outro”

Nota: estudos recentes sugerem que a escultura de Doryphoros no museu de Nápoles talvez não tenha sido encontrada em uma Palestra em Pompéia. Ver Warren G. Moon, ed.,  Polykleitos, The Doryphoros e Tradição , University of Wisconsin Press, 1995.

Gostou desse resumo de história geral para o Enem? Comente e compartilhe!

960x171-anuncio-blog-genio
Loading Facebook Comments ...

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.